Feedback formativo na Instrução Aérea

estudo de caso no Curso de Especialização Operacional

Autores

  • Andrei Henning Salmoria Segundo do Quinto Grupo de Aviação (2º/5º GAV)
  • André Luís Monteiro Tomaz Primeiro do Quinto Grupo de Aviação (1º/5º GAV)
  • Laís Karla da Silva Barreto Universidade Potiguar (UNP)
  • Marcelo Victor Alves Bila Queiroz Universidade Potiguar (UNP)

Palavras-chave:

Feedback, Debrifim, Instrução Aérea, Aprendizagem

Resumo

Este artigo científico propõe avaliar em que medida as características do feedback formativo influenciam a aprendizagem dos pilotos da Força Aérea Brasileira matriculados no PESOP 2020. Como base teórica, foram utilizados os estudos de Mory (2004), Hattie e Timperley (2007) e Shute (2008). Nos estudos, foram identificadas quais as características do feedback formativo são mais efetivas e eficientes em promover a aprendizagem. Posteriormente, a fim de identificar quais das características do feedback formativo influenciam a aprendizagem de voo, foi encaminhado um questionário de cinco pontos na escala de Likert (1932) a 77 pilotos matriculados no PESOP 2020. As respostas foram analisadas por meio de gráficos de box-plot, histogramas e medianas, em quatro grupos distintos: o que deve ser feito, o que deve ser evitado, momento mais adequado para proceder o feedback e características do aluno. Os resultados, na percepção dos pilotos estudados, indicaram semelhança das características do feedback formativo quando aplicado no debrifim da instrução aérea, conduzindo a um modelo de boas práticas para o debrifim de voo. Dessa forma, as conclusões obtidas por este trabalho servirão de base científica para o aprimoramento da instrução aérea não somente no âmbito da Ala 10 e da Força Aérea Brasileira, mas também útil a todos os que se destinam a ensinar a arte de voar.

Referências

BANGERT-DROWNS, R. L., KULIK, C. C, KULIK, J. A., MORGAN, M. T. The instructional effect of feedback in test-like events. Review of Educational Research, 67,213-238, 1991.

BOAVENTURA, E. M. Metodologia da Pesquisa: monografia, dissertação e tese. São Paulo: Atlas, 2004

BRASIL. Comando da Aeronáutica. DCA 11-45. Concepção Estratégica Força Aérea 100. Brasília, DF, 2016.

______. Congresso Nacional. Estratégia Nacional de Defesa: Decreto Legislativo nº 373, de 25 de setembro de 2013a. Disponível em: <http://www.defesa.gov.br/arquivos/2012/mes07/end.pdf>. Acesso em: 04 jun. 2020.

______. Senado Federal. Constituição Federal. Brasília: Senado Federal, 2013b.

COCHRAN, W. G. Técnicas de amostragem. Sampling Techniques. Tradução de Fernando A. Moreira Barbosa. Rio de Janeiro: Aliança para o Progresso, 1965. p55.

COOPER, N. J. Facilitating learning from formative feedback in level 3 assessment, Assessment and Evaluation in Higher Education, 25(3), pp. 279–291, 2000.

CORREA, S. M. B. B. Probabilidade e estatística. 2. ed. Belo Horizonte: PUC Minas Virtual, 2003.

GÜNTHER, H. Como elaborar um questionário (série: Planejamento de pesquisa em ciências sociais, n° 1). Brasíla, DF: UnB, Laboratório de psicologia ambiental, 2003.

HATTIE, John; TIMPERLEY, Helen. The power of feedback. Review of educational research, v. 77, n. 1, p. 81-112, 2007.

LIKERT, R. A technique for the Measurement of Attitudes, Archives of Psychology, 1932.

LUCKESI, C. C. Avaliação da Aprendizagem escolar: estudo e proposições. 14ª Ed. São Paulo: Cortez, 2002.

MORENO, R. Decreasing cognitive load for novice students: Effects of explanatory versus corrective feedback in discovery-based multimedia. Instructional Science, 32,99-113, 2004.

MORY, Edna H. Feedback research revisited. Handbook of research on educational communications and technology, v. 2, p. 745-783, 2004.

OLIVEIRA, Maria Marly. Sequência didática interativa no processo de formação de professores. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

PERRENOUD, P. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens: entre duas lógicas. Porto Alegre: Artmed, 1999.

PRODANOV, C. C. Metodologia do Trabalho Científico: Métodos e Técnicas da Pesquisa e do Trabalho Acadêmico. 2ª Ed. Novo Hamburgo, Feevae, 2013.

SADLER, R. Formative assessment and the design of instructional systems.

Instructional Science, 18, 119–144, 1989.

SHUTE, Valerie J. Focus on formative feedback. Review of educational research, v. 78, n. 1, p. 153-189, 2008.

WOODS, D.D.; SARTER, N.B. Learning from Automation Surprises and “Going Sour” Accidents: Progress on Human-Centered Automation. NASA Ames Research Center. Moffet Field, CA, 1998.

Downloads

Publicado

2020-12-28

Edição

Seção

Estudos de Caso