Nível de escolaridade e seu impacto no curso de formação dos soldados do Batalhão de Infantaria-64

Autores

  • Erick Antonio Silva Instituto de Logística da Aeronáutica - ILA

Palavras-chave:

Curso de formação de soldados, Nível de escolaridade, Desempenho, Teoria da aprendizagem significativa

Resumo

A nova Concepção Estratégica Força Aérea 100 elenca um amplo processo de reestruturação do Comando da Aeronáutica (COMAER). Entre as vertentes de ação, destaca-se o refinamento da gestão dos recursos humanos com ênfase nos campos de recrutamento, seleção e formação. Imerso nessa tríade, o presente trabalho teve como objetivo verificar a influência do nível de escolaridade dos soldados, durante a etapa do recrutamento, no grau de desempenho obtido ao término do Curso de Formação de Soldados (CFSd), das turmas 2015 e 2016 do Batalhão de Infantaria-64 (BINFA-64). Norteando a discussão, elegeu-se a Teoria da Aprendizagem Significativa (TAS) que interpreta a construção da estrutura cognitiva do indivíduo e ressalta que os conhecimentos preexistentes no arcabouço mental do aprendiz atuam como âncoras do conhecimento (subsunçores), servindo de subsídio à formação do novo saber. O mapeamento do objetivo da pesquisa foi estabelecido em duas vertentes. Em primeiro plano, procurou-se fundamentar e validar o registro do nível de escolaridade dos 421 militares em estudo, no instante da incorporação. Constatouse da amostra que os militares possuíam os ensinos fundamental completo (3%), médio incompleto (17%), médio completo (66%), médio técnico (10%) e superior incompleto (4%). Sob outro plano, a pesquisa enfocou o registro do grau final de desempenho dos soldados, ao término do curso. Os dados escolares e de desempenho levantados foram confrontados estatisticamente, por intermédio do coeficiente de Pearson. O valor de 0,85, experimentado pelo coeficiente, indicou forte correlação entre as variáveis. Associado aos preceitos da TAS, desse resultado concluiu-se que os maiores graus de desempenho corresponderam aos níveis escolares mais elevados

Referências

AUSUBEL, D. P. Aquisição e retenção de conhecimentos: uma perspectiva cognitiva. Lisboa: Paralelo, 2003.

BRASIL. Comando da Aeronáutica. Departamento de Ensino. Portaria DEPENS nº182/DE-1, de 07 de maio de 2013. Aprova a reedição do Currículo Mínimo do Curso de Formação de Soldados (ICA 33-73). Boletim do Comando da Aeronáutica. Brasília, DF, n.89, 10 maio 2013.

______. Comando da Aeronáutica. Departamento de Ensino. Portaria DEPENS nº292/DE-1, de 23 de julho de 2013. Aprova a edição do Plano de Avaliação do Curso de Formação de Soldados (ICA 37-572). Boletim do Comando da Aeronáutica. Brasília, DF, n.142, 26 jul. 2013a.

______. Comando da Aeronáutica. Diretoria de Administração de Pessoal. Portaria DIRAP nº701/DSM, de 10 de março de 2003. Aprova o Recrutamento de Conscritos para o Serviço Militar Inicial (ICA 33-16). Boletim do Comando da Aeronáutica, Rio de Janeiro, n.48, 13 mar. 2003.

______. Comando da Aeronáutica. Diretoria de Administração de Pessoal. Portaria DIRAP nº2024-T/SAPSM, de 22 de março de 2016. Aprova a reedição das Instruções Complementares de Convocação para o Serviço Militar Inicial (ICA 33- 2). Boletim do Comando da Aeronáutica, Rio de Janeiro, n.51, 24 mar. 2016.

______. Comando da Aeronáutica. Gabinete do Comandante da Aeronáutica. Portaria nº1048/GC3, de 25 de agosto de 2014. Aprova a reedição da Instrução Reguladora do Quadro de Soldados (ICA 39-22). Boletim do Comando da Aeronáutica, Brasília, DF, n.175, 16 set. 2014.

______. Comando da Aeronáutica. Gabinete do Comandante da Aeronáutica. Portaria nº189/GC3, de 30 de janeiro de 2016. Aprova a edição da Concepção Estratégica “Força Aérea 100” (DCA 11-45). Boletim do Comando da Aeronáutica, Brasília, DF, n.18, 01 fev 2016.

CHIAVENATO, I. Seleção de Pessoal. In: ______. Recursos humanos. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2003. Cap. 6, p. 185.

FRANCISCO FILHO, L. L. Análise da Relação da Criminalidade e Baixo Nível Escolar. Revista Intellectus, Jaguariúna, ano VIII, n.22, p.175-190, out. 2012. GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

MONTGOMERY, D. C.; RUNGER, G. C. Estatística aplicada e probabilidade para Engenheiros. 4. ed. Rio de Janeiro: Ltc, 2009. 512 p.

RODRIGUES, J. F.; GIRAFFA, L. M. M. ; RISSOLI, V. R. V. Teoria da aprendizagem significativa. 2010. Universidade Católica de Brasília. Disponível em: https://cae.ucb.br/tas/tas/tas01.html. Acesso em: 16 abr. 2017.

RONCA, A. C. C. Teorias de ensino: a contribuição de David Ausubel. Temas de Psicologia, Ribeirão Preto, v. 2, n. 3, 1994. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php. Acesso em: 14 mar. 2017.

VALÉRIO, M. Teoria de Ausubel. Departamento de Psicologia, Disciplina: Aprendizagem e Ensino, Universidade de Brasília, DF, 1999. Disponível em: http://www. xr.pro.br/Monografias/AUSUBEL. Acesso em: 09 mar. 2017.

Publicado

2022-10-24

Como Citar

Silva, E. A. (2022). Nível de escolaridade e seu impacto no curso de formação dos soldados do Batalhão de Infantaria-64. Revista Da UNIFA, 30(2). Recuperado de https://revistaeletronica.fab.mil.br/index.php/reunifa/article/view/488

Edição

Seção

Artigos Originais