Competências necessárias ao Oficial de Guerra Eletrônica

uma análise curricular

Autores

  • Anderson Gomes do Rosario Werneck Comando de Preparo - COMPREP

Palavras-chave:

Competências, Currículo, Método Delphi, Guerra eletrônica

Resumo

As Forças Armadas estão cada vez mais dependentes do espectro eletromagnético, o que faz da Guerra Eletrônica um instrumento letal em qualquer cenário operacional. Nesse contexto, os militares devem ser competentes para corresponder aos anseios da Organização a que estiverem subordinados. Assim, o objetivo desta pesquisa é verificar em que medida o currículo do Curso de Especialização em Análise de Ambiente Eletromagnético (CEAAE), em 2016, desenvolveu as competências necessárias para o aviador exercer o cargo de Oficial de Guerra Eletrônica (OGE) de uma Unidade Aérea. Para tanto, consultaramse especialistas com a utilização do Método Delphi, o que permitiu identificar conhecimentos, habilidades e atitudes que apontavam as competências essenciais inerentes aos Oficiais de Guerra Eletrônica. Em seguida, examinaram-se publicações relativas ao currículo do CEAAE para identificar as competências que são desenvolvidas durante a realização do curso. Com todos os dados, fez-se a comparação entre as competências assinaladas por meio dos questionários com aquelas constatadas nos documentos curriculares. Com a análise dos dados, verificou-se a correspondência para os níveis de conhecimento, habilidade e atitude iguais a 53,85%, 38,46% e 50,00%, respectivamente. Isso evidencia que o CEAAE desenvolve apenas 47,73% das competências necessárias para que o aviador possa exercer suas funções como OGE de uma Unidade Aérea. Pode-se concluir que a pesquisa expõe a necessidade de atualização do currículo do CEAAE para que uma formação mais adequada seja proporcionada aos militares matriculados, de forma a corresponder as necessidades da Força Aérea Brasileira (FAB).

Referências

ALVES, F. D. P. Pós-Graduação Stricto Sensu em Guerra Eletrônica no ITA: proposta de implantação. Spectrum: Revista do Comando-Geral de Operações Aéreas, Brasília, n. 01, p. 19-23, jan. 2000.

BRANDÃO, H. P. Gestão baseada nas competências: um estudo sobre competências profissionais na indústria bancária. 1999. 158 f. Dissertação (Mestrado em Gestão de Pessoas)– Curso de Gestão de Pessoal, Universidade de Brasília, Brasília, DF, 1999. B

RANDÃO, H. P.; BORGES-ANDRADE, J. E. Causas e efeitos da expressão de competências no trabalho: para entender melhor a noção de competência. Revista de Administração Mackenzie, v. 8, n. 3, p. 32-49, 2007.

BRASIL. Estado Maior de Defesa. Portaria Normativa N° 333/MD, de 24 de março de 2004. Dispõe sobre a Política de Guerra Eletrônica de Defesa (MD 32-P-01). Diário Oficial da União, Brasília, n. 59, 26 mar. 2004. Disponível em: . Acesso em: 22 jun. 2016.

______. Ministério da Aeronáutica. Portaria nº 304/GM3, de 7 de maio de 1998. Cria, no Instituto Tecnológico de Aeronáutica, o Curso de Especialização em Análise de Ambiente Eletromagnético - CEAAE, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, de 07 de maio de 1998. Seção 1, p. 70.

______. Ministério da Defesa. Comando da Aeronáutica. Portaria nº 278/GC3, de 21 de junho de 2012. Aprova a reedição da Doutrina Básica da Força Aérea Brasileira (DCA 1-1). Boletim do Comando da Aeronáutica, Brasília, DF, n. 121, 26 jun. 2012.

______. Ministério da Defesa. Glossário das Forças Armadas. MD35-G-01. Brasília, DF, 2007. ______. Portaria COMGAR nº 88/A6, de 30 de novembro de 2006. Aprova a Edição do Plano Estratégico, para orientar as ações do Sistema de Guerra Eletrônica nos próximos dez anos (NSCA 500-2). Boletim do Comando da Aeronáutica, Brasília, n. 234, 19 dez. 2006.

______. Portaria DCTA nº 103/DNO, de 16 de abril de 2015. Aprova a edição da Instrução que dispõe sobre as Normas Reguladoras do Curso de Especialização em Análise de Ambiente Eletromagnético (CEAAE), realizado no Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) (ICA 37-581). Boletim do Comando da Aeronáutica, Brasília, DF, n. 56, 24 abr. 2015.

______. Portaria DEPENS nº 69/DE-1, de 18 de março de 2010. Aprova a reedição da Instrução referente à “Elaboração e Revisão de Currículos Mínimos” (ICA 37-4). Boletim do Comando da Aeronáutica, Brasília, DF, n. 55, 23 mar. 2010.

______. Portaria nº 7/A6, de 27 de julho de 2006. Sistema de Guerra Eletrônica da Aeronáutica (NSCA 500-1). Boletim do Comando da Aeronáutica, Brasília, DF, n. 20, 15 jun. 2006. CARBONE, P. P. et al. Gestão por competências e gestão do conhecimento. 3. ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2009.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

HSU, C. C.; SANDFORD, B. A. The Delphi Technique: making sense of consensus. Practical Assessment Ressearch & Evaluation, Oklahoma, v. 12, n. 10, p. 8, ago. 2007. Disponível em: http://pareonline.net/pdf/v12n10. pdf. Acesso em: 18 set. 2016.

PERRENOUD, P. Construir competências desde a escola. Porto Alegre: Artmed, 1999.

SACRISTÁN, J. G. O currículo: uma reflexão sobre a prática. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

______. Saberes e incertezas sobre o currículo. Porto Alegre: Penso, 2013.

SANTOS, A. C. O uso do método Delphi na criação de um modelo de competências. Revista de Administração, São Paulo, v. 36, n. 2, p. 25-32, abr./jun. 2001. Disponível em: .www.rausp.usp.br/ download.asp?file=v36n2p25a32.pdf. Acesso em: 15 ago. 2016.

SCHUBERT, W. H. Curriculum: perspective, paradigma and possibility. New York: Macmillan Pub. Comp., 1986.

VILELA, F. L. O; OLIVEIRA, F. J. Capacitação de recursos humanos para operação de sistemas modernos de guerra eletrônica. Spectrum: Revista do Comando-Geral de Operações Aéreas, Brasília, n. 18, p. 50-53, set. 2015.

Downloads

Publicado

2022-10-24

Como Citar

Werneck, A. G. do R. (2022). Competências necessárias ao Oficial de Guerra Eletrônica: uma análise curricular. Revista Da UNIFA, 30(2). Recuperado de https://revistaeletronica.fab.mil.br/index.php/reunifa/article/view/489

Edição

Seção

Artigos de Opinião