O estudo de caso da dose efetiva de radiação ionizante no voo da aeronave T-27 Tucano da Força Aérea Brasileira

Autores

  • Manoela Alves Pires
  • Bruno Eduardo Teixeira
  • Alan Rodrigo Marinho Gualberto
  • Vinicius Jacobi Quatrin

DOI:

https://doi.org/10.34180/2447-9365.2019v4n5p86

Palavras-chave:

Radiação cósmica. Low-LET. Aeronave militar. Programa FLICRAD.

Resumo

O presente trabalho teve como principal objetivo analisar a incidência média da dose efetiva de radiação cósmica que afeta os pilotos que voam na aeronave T-27, durante o curso de formação de oficiais aviadores da Academia da Força Aérea Brasileira, a partir de dados de voo como altitude, velocidade, coordenadas geográficas e tempo de voo inseridos no programa Flight Cosmic Radiation Dose (FLICRAD). Os resultados obtidos apresentaram uma média de 0,953654 µSv por voo no T-27, e isso permite concluir que seriam necessárias aproximadamente 2.429 horas desse tipo de voo para se obter a dose mínima de segurança prevista. Com um curso de aproximadamente 91 horas de voo, os alunos/cadetes, pilotos do T-27, teriam 0,0375 % da dose anual prevista de 1 mSv. Nesse contexto, este trabalho concluiu que a dose efetiva, no voo do cadete, não tem influência significativa no seu acúmulo anual de radiação cósmica.

Publicado

2020-04-15