Grupos Indígenas e Militares:

um levantamento sobre a variação linguística na interlocução entre esses grupos em regiões de fronteira na Amazônia

Autores

  • Sergio Ricardo Reis Matos Mestrando em Relações Internacionais (UMSA-Bolívia)
  • Sheila Cristina Monteiro Matos Pedagoga do Colégio Brigadeiro Newton Braga, Rio de Janeiro-RJ

DOI:

https://doi.org/10.22480/revunifa.2012.25.689

Palavras-chave:

Amazônia, Diversidade cultural, Frações militares, Sociolinguística

Resumo

Esta investigação estuda em que medida a variação linguística entre militares de frações de fronteira e comunidades indígenas influencia a interlocução desses grupos na região amazônica. Para tal, contextualiza a área de estudo; identifica a problemática da educação indígena; caracteriza a variação linguística nesse ambiente; discute a coexistência entre frações militares e comunidades indígenas nessas regiões; e analisa levantamento sobre a temática. Nas considerações finais, infere-se que a não aquisição de conhecimentos sobre fenômenos de variação linguística locais pelo militar, seja servindo em postos na fronteira ou cumprindo missões em operações ou ações cívico-sociais, dificulta sua interlocução efetiva com índios.

Referências

ANGELIM, R; SILVA, E. O ensino de língua portuguesa: da heterogeneidade linguística à prática em sala de aula. In: PAULIUKONIS, M.; SANTOS, L. Estratégias de leitura: texto e ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2006. p. 69-79.

AZEREDO, J. C. A quem cabe ensinar a leitura e a escrita? In: PAULIUKONIS, M.; GAVAZZI, S. Da língua ao discurso. Rio de Janeiro: Lucerna, 2007.

BAGNO, M. Preconceito linguístico. São Paulo: Loyola, 2002.

BARROSO FILHO, J. Os pelotões especiais de fronteira: segurança e integração na Amazônia. Portal

Amazônia, Manaus, 2007. Disponível em: <http://portalamazonia.globo.com/>. Acesso em: 08 mar. 2009.

BRASIL Lei nº 6.634, de 02 de maio de 1979. Brasília, DF, 1979.

______. Ministério da Defesa. Comando do Exército. Estado-Maior do Exército. Portaria Nº 020-EME, de 02 de abril de 2003. Aprova a Diretriz para o relacionamento do Exército Brasileiro com as comunidades indígenas. Brasília, DF, 2003.

BECHARA, E. Em defesa da gramática. Revista Veja, São Paulo, ed. 2219, ano 44, n. 22, p. 21-25, 1 jun. 2011. Entrevista feita por Roberta de Abreu Lima.

CALVET, L. Sociolinguistica: uma introdução crítica. São Paulo: Parábola, 2002.

CAVALCANTI, M. Estudos sobre educação bilíngue e escolarização em contextos de minorias linguísticas no Brasil. D. E. L. T. A., São Paulo, v. 15, número especial. p. 385-417, 1999.

COX, M. I. P. Professores indígenas de Mato Grosso e o ensino de Português. Cuiabá: UFMT, 1994.

ESTADOS UNIDOS. Army. FM 3-24: counterinsurgency.Washington, DC, 2006.

FONSECA, A. C.; REZENDE, T. M. As cadernetas de Rondon: testemunhos de uma epopeia pelos sertões do Brasil. Rio de Janeiro: FUNCEB, 2010.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1999.

GRUPIONI, L. D. B. Educação escolar indígena: formação de professores. Rio de Janeiro: Salto para o futuro, 2002.

LAKATOS, E.; MARCONI, M. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

LUCCHESI, D. As duas grandes vertentes da história sociolinguística do Brasil. Salvador: UFBA/CNPQ, 2004a.

______. Grandes territórios desconhecidos. Salvador: UFBA/CNPQ, 2004b.

MAHER, T. M. Ser professor sendo índio: questões de lingua(gem) e identidade. 1996. 262 f. Tese (Doutorado em Linguística)–UNICAMP, Campinas, 1996.

MATOS, S. R. Instrumentos de medida nas pesquisas de campo quantitativo-descritivas por amostragem probabilística. 2004. 160 f. Monografia (Especialização em Matemática e Estatística)–UFLA, Lavras, 2004.

MATOS, S. R.; MATOS, S. C. Saberes em diversidade cultural: um olhar exploratório sobre a variação linguística em aldeias indígenas. Revista Científica da Escola de Administração do Exército, Salvador, ano 4, n. 1, 1º sem. 2008.

MATOS, S. R.; SILVA, M. E. B. A variação linguística entre grupos indígenas e frações do Exército Brasileiro. Educação em Destaque, Juiz de Fora, v. 2, n. 2, 2009.

MÉLEGA, R. P. À margem das culturas: um estudo de casos de índios brasileiros marginais. 2001. 211 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia)–Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, São Paulo, 2001.

MINDLIN, B. A política educacional indígena no período 1995-2002. Revista de Estudos e Pesquisas, Brasília, v.1, n.2, p.101-140, dez. 2004.

MOLLICA, M. C. Relevância das variáveis não linguísticas. In: ______; BRAGA, M. L. Introdução à sociolinguística. São Paulo: Contexto, 2004. p. 27-31.

NEVES, M. H. M. A gramática funcional. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

OLIVEIRA, M. A liderança militar nos pelotões especiais de fronteira. 2008. Monografia (Aperfeiçoamento em Operações Militares)–EsAO, Rio de Janeiro, 2008.

PEREIRA, C. et. al. Gêneros textuais e modos de organização do discurso: uma proposta para a sala de aula. In: PAULIUKONIS, M.; SANTOS, L. Estratégias de leitura: texto e ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2006. p. 27–58.

RIBEIRO, D. Os índios e a civilização. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

SEKI, L. (Org.). Linguística indígena e educação na América Latina. Campinas: UNICAMP, 1993.

SILVA, M. E. B. Curso de língua portuguesa: variação linguística. Rio de Janeiro: Fundação Trompowsky, 2008.

SIQUEIRA, F. O emprego da inteligência cultural nas operações de reconhecimento e avaliação da área em terras indígenas na Amazônia. 2008. Monografia (Aperfeiçoamento em Operações Militares)–EsAO, Rio de Janeiro, 2008.

VISACRO, A. Inteligência cultural e temática indígena: perspectivas para a defesa da Amazônia. Manaus, 2007. Mimeo.

Downloads

Publicado

2012-07-01

Como Citar

MATOS, S. R. R.; MATOS, S. C. M. Grupos Indígenas e Militares:: um levantamento sobre a variação linguística na interlocução entre esses grupos em regiões de fronteira na Amazônia. Revista da UNIFA, Rio de Janeiro, v. 25, n. 30, 2012. DOI: 10.22480/revunifa.2012.25.689. Disponível em: https://revistaeletronica.fab.mil.br/index.php/reunifa/article/view/689. Acesso em: 18 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos Originais