Plano Estratégico de Pesquisa e Desenvolvimento de Interesse da Defesa:

uma visão com ênfase nas competências

Autores

  • Antonio Ramalho de Souza Carvalho Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) São José dos Campos - SP - Brasil
  • Ligia Maria Soto Urbina Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) São José dos Campos - SP - Brasil

DOI:

https://doi.org/10.22480/revunifa.2012.25.690

Palavras-chave:

Planejamento estratégico, Ciência e tecnologia, Competências, Teoria dos recursos

Resumo

Neste artigo são apresentados os componentes básicos e a estratégia definidos no Plano Estratégico de Pesquisa e Desenvolvimento para o Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), concebido para um horizonte temporal de onze anos, de 2008 a 2018, enfatizando as competências. A pesquisa de caráter exploratório, realizada em 2010, tem como base informações bibliográficas e documentais, predominantemente qualitativas, de caráter ostensivo. Complementa-se o estudo com informações sobre as correntes explicativas da vantagem competitiva e competências. Conclui-se ao final que o Plano elaborado tem forte embasamento na Teoria dos Recursos para atingir seus objetivos no setor de Defesa, de Ciência e Tecnologia e da Indústria, com ênfase maior na competência essencial (pesquisa e desenvolvimento em ciência e tecnologia aeroespacial), cujos aspectos militares são utilizados como balizadores.

Referências

BRASIL. Plano estratégico de pesquisa e desenvolvimento 2008 - 2018. Diretriz do Comando da Aeronáutica (DCA 80 -2). São José dos Campos, 2007. Disponível em . Acesso em:06 mar. 2008.

BRASIL. Comando da Aeronáutica. (DCA 14-2) Política da Aeronáutica para pesquisa e desenvolvimento. Brasília, 2002.

BRANDÃO, M. P. et. al. Materiais avançados para defesa nacional e segurança pública. In: ____. Materiais avançados no Brasil 2010-2022. Brasília: Centro de Gestão e Estudos Estratégicos, 2010, p. 13-59. cap. 1.

BURLAMAQUI, L.; PROENÇA, A. Inovação, recursos e comprometimento: em direção de uma teoria estratégica da firma. Revista Brasileira de Inovação. v. 2, n.1, p. 79-110, 2003.

CASTRO, A. M. G.; LIMA, S. M. V.; CARVALHO, J. R. P. Planejamento de C&T: sistemas de informação gerencial. Brasília: Embrapa, 1999.

FEITOR, C. D. C.; KLIEMANN NETO, F. J.; CORTIMIGLIA, M. N. Competências essenciais: uma análise da importância das capacidades organizacionais na busca de vantagens competitivas. Anais do XII SIMPEP. Bauru, SP, Brasil, 7 a 9 de Novembro de 2005. Disponível em: <http://www.simpep.feb.unesp.br/anais_simpep_aux.php?e=12>. Acesso em: 06 maio 2008.

FINE, C. H. Mercados em evolução contínua: conquistando a vantagem competitiva num mundo em constante mutação. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

FLEURY, A.; FLEURY, M. T. L. Estratégias empresariais e formação de competências: um quebra-cabeça caleidoscópio da indústria brasileira. São Paulo: Atlas, 2007.

MAXIMIANO, A. C. A. Teoria geral da administração: da revolução urbana à revolução digital. São Paulo: Atlas, 2002.

MINTZBERG, H. The fall and rise of strategic planning. Harvard Business Review, v. 72, n. 1, p. 107-114, 1994.

PRAHALAD, C. K.; HAMEL, G. The core competence of the corporation. Harvard Business Review, v. 68, n. 3, p. 79-91, 1990.

SANDHUSEN, R. Marketing básico. São Paulo: Saraiva, 1998.

VASCONCELOS, F. C.; CYRIBO, Á. B. Vantagem competitiva: os modelos teóricos atuais e a convergência entre estratégia e teoria organizacional. Revista de Administração de Empresas. São Paulo. v. 40, n. 4, p. 20-37, 2000.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Tradução de Daniel Grassi. Porto Alegre: Bookman, 2005.

Downloads

Publicado

2012-07-01

Como Citar

CARVALHO, A. R. de S.; URBINA, L. M. S. Plano Estratégico de Pesquisa e Desenvolvimento de Interesse da Defesa:: uma visão com ênfase nas competências. Revista da UNIFA, Rio de Janeiro, v. 25, n. 30, 2012. DOI: 10.22480/revunifa.2012.25.690. Disponível em: https://revistaeletronica.fab.mil.br/index.php/reunifa/article/view/690. Acesso em: 18 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos Originais