Estudo Sobre Mínimos Operacionais Através do Conceito de Performance de Navegação Requerida:

autorização obrigatória (RNP AR)

Autores

  • Clóvis Fernandes Júnior Segundo Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA II) Divisão de Operações Curitiba - PR

DOI:

https://doi.org/10.22480/revunifa.2012.25.691

Palavras-chave:

Aeródromo, Mínimos Operacionais, Procedimentos de Aproximação, RNP AR

Resumo

A publicação de um novo conceito de navegação aérea, denominado RNP AR, fez despertar o interesse em se aprofundar o conhecimento sobre os aspectos que interferem no cálculo dos mínimos operacionais de um aeródromo, particularmente quanto à influência exercida por obstáculos. Consoante a essa inquietação, o presente trabalho teve por objetivo analisar até que ponto o conceito RNP AR poderia reduzir a influência que o relevo exerce na determinação dos mínimos operacionais de aproximação da pista 02R do aeroporto Santos Dumont e da pista 15 do aeroporto de Joinville. Conforme a metodologia utilizada, o desenvolvimento do trabalho foi iniciado com a apresentação do referencial teórico, principalmente quanto à definição de mínimos operacionais de aeródromo e descrição do conceito RNP AR. Na sequência, foi realizada a pesquisa experimental que propiciou a aplicação dos conhecimentos descritos e o consequente cálculo dos mínimos operacionais para os aeródromos. Ao final da pesquisa, após a comparação com os atuais mínimos operacionais dos aeródromos, verificou-se que a aplicação do conceito RNP AR permitiu a redução dos mínimos operacionais do aeroporto de Joinville, o que poderia promover uma melhora nas condições operacionais neste aeródromo. No entanto, o mesmo resultado não foi alcançado para o caso do aeroporto Santos Dumont, demonstrando que esse conceito não se aplica a qualquer situação e que uma análise criteriosa deve ser efetuada, antes de sua implementação.

Referências

BRASIL. Ministério da Defesa. Comando da Aeronáutica. AIP-MAP: Publicação de Informações Aeronáuticas. Brasília, DF, 2011.

______. CIRCEA 100-53: Padronização da elaboração de procedimentos de Navegação Aérea. Brasília, DF, 2011.

______. ICA 100-24: Elaboração de procedimentos de navegação aérea. Brasília, DF, 2008.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed.São Paulo: Atlas, 2007.

GJERLEV, J. Instrument flight procedures. Oslo: Pilotforlaget, 2002.

INFRAERO - Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária. Aeroporto Santos-Dumont. Disponível em: <http://www.infraero.gov.br/index.php/br/aeroportos/rio-de-janeiro/aeroporto-santos-dumont.html>. Acesso em: 14 mar. 2011.

MIRANDA, E. E. (Coord.). Brasil em relevo. Campinas: Embrapa Monitoramento por Satélite, 2005. Disponível em: <http://www.relevobr.cnpm.embrapa.br>. Acesso em: 25 abr. 2011.

NAVERUS. Access on top of the world: Linzhi. Disponível em: <http://www.naverus.com/Community/Case_Studies/Linzhi.htm>. Acesso em: 24 abr. 2011.

OACI - Organização da Aviação Civil Internacional. ANNEX 6: Operation of Aircraft - Part I, International Commercial Air Transport — Aeroplanes. Montreal: OACI, 2010.

______. DOC 9368: Instrument Flight Procedures Construction Manual. Montreal: OACI, 2002.

______. DOC 9905: Required Navigation Performance Authorization Required (RNP AR) Procedure Design Manual. Montreal: OACI, 2009.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. IPEA divulgaestudo sobre aeroportos no Brasil. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=8032 >. Acesso em: 30 abr.2011.

SIQUEIRA, C. A. Navegação aérea segundo o conceito CNS/ATM: custos e benefícios. 2005. 129 f. Dissertação (Mestrado) - ITA, São José dos Campos, 2005.

Downloads

Publicado

2012-07-01

Como Citar

JÚNIOR, C. F. Estudo Sobre Mínimos Operacionais Através do Conceito de Performance de Navegação Requerida:: autorização obrigatória (RNP AR). Revista da UNIFA, Rio de Janeiro, v. 25, n. 30, 2012. DOI: 10.22480/revunifa.2012.25.691. Disponível em: https://revistaeletronica.fab.mil.br/index.php/reunifa/article/view/691. Acesso em: 19 jul. 2024.

Edição

Seção

Estudos de Caso