Efeito do voo de caça nas respostas autonômicas e no desempenho cognitivo e psicofisiológico de pilotos experientes da Força Aérea:

revisão sistemática

Autores

  • Wilian de Jesus Santana Programa de Pós Graduação Stricto Sensu, Doutorado em Educação Física, Universidade São Judas USJT, São Paulo, SP, Brasil
  • Carlos Eduardo Rosa Silva Programa de Pós Graduação Stricto Sensu, Doutorado em Educação Física, Universidade São Judas, USJT, São Paulo, SP, Brasil
  • Katia Bilhar Scapini Programa de Pós Graduação Stricto Sensu, Doutorado em Educação Física, Universidade São Judas, USJT, São Paulo, SP, Brasil
  • Gilberto Pivetta Pires Programa de Pós-graduação em Desempenho Humano Operacional, Universidade da Força Aérea, UNIFA, Rio de Janeiro, RJ, Brasil
  • Edson Koury do Nascimento Programa de Pós-graduação em Desempenho Humano Operacional, Universidade da Força Aérea, UNIFA, Rio de Janeiro, RJ, Brasil
  • Alessandro Barreta Garcia Programa de Pós Graduação Stricto Sensu, Doutorado em Educação Física, Universidade São Judas, USJT, São Paulo, SP, Brasil
  • Paulo de Tarso Veras Farinatti Laboratório de Atividade Física e Promoção da Saúde da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Universidade Estadual do Rio de Janeiro, UERJ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil
  • Aylton Figueira Júnior Programa de Pós Graduação Stricto Sensu, Doutorado em Educação Física, Universidade São Judas, USJT, São Paulo, SP, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.22480/revunifa.2024.37.654

Palavras-chave:

Estresse Psicológico, Pilotos, Frequência Cardíaca, Força G

Resumo

Durante voos de caça, os pilotos enfrentam riscos como hipóxia e perda de consciência. A revisão explora a relação entre cargas estressoras, respostas autonômicas e desempenho cognitivo desses pilotos. O estudo visa preencher lacunas na compreensão desses elementos críticos na segurança e eficácia durante operações aéreas. Objetivo: identificar a relação entre as cargas estressoras e os efeitos do voo de caça em pilotos experientes, nas respostas autonômicas e desempenho cognitivo. A revisão sistemática elaborada nesta pesquisa foi registrada no PROSPERO (CRD42023495636). As questões de pesquisa foram definidas pelo modelo PICO de acordo com as diretrizes PRISMA, conforme segue: 1. População: Pilotos de Caça Experientes; 2. Intervenção: Voo de Caça, Voo Acrobático, Simulador de Voo; 3. Comparador: Comparação de Voos, Comparação das respostas autonomicas ou cognitivas; 4. Resultados: estresse psicológico, desempenho cognitivo e respostas autonômicas. A pesquisa bibliográfica foi realizada em 4 bases de dados: Pubmed, Embase, Medline e Sportdiscus, utilizando as palavras chaves piloto, estresse fisiológico, hipergravidade em inglês Resultados: Foram encontrados 358 artigos, mas apenas 5 artigos selecionados para revisão final. A análise conjunta desses estudos revela que a frequência cardíaca (FC) emerge como uma variável crucial nas respostas fisiológicas dos pilotos diante de situações extremas, sejam elas de rápida descompressão, missões de combate ou hipóxia. A atipicidade das respostas, evidenciadas em diversos estudos, destaca a complexidade das reações autonômicas em contextos desafiadores. 

Biografia do Autor

Wilian de Jesus Santana, Programa de Pós Graduação Stricto Sensu, Doutorado em Educação Física, Universidade São Judas USJT, São Paulo, SP, Brasil

Doutorando em Educação Física pela Universidade São Judas Tadeu, vinculado ao Programa de Cooperação Acadêmica em Defesa (PROCAD). Mestrado em Educação Física Stricto Sensu na Universidade São Judas Tadeu (2021); Licenciatura e Bacharelado em Educação Física pela Universidade Nove de Julho (2013) e Especialização em Fisiologia do Exercício pela Faculdade Metropolitana Unida (2015). Experiência na área de Educação Física, ênfase em Treinamento de Força e Treinamento Funcional. Membro do Grupo de Estudos em Treinamento, Atividade Física e Saúde da Universidade São Judas Tadeu (GETAFIS). Interesses em pesquisa nas áreas de Treinamento de Força, Fisiologia do Exercício, Avaliação Física, Promoção da Saúde, Atividade Física e Psicofisiologia. Docente dos Cursos de Educação Física e Fisioterapia do Centro Universitário UNIPIAGET. Coordenador do Curso de Pós Graduação em Fisiologia do Exercício e Periodização do Treinamento.

Carlos Eduardo Rosa Silva , Programa de Pós Graduação Stricto Sensu, Doutorado em Educação Física, Universidade São Judas, USJT, São Paulo, SP, Brasil

Graduação em Educação Física pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul. Especialista em Musculação e Condicionamento Físico pela Faculdade de Educação Física de Santo André FEFISA e Especialista em Biomecânica e Avaliação Física pelas Faculdades Metropolitanas Unidas FMU. Mestre em Educação Física pela Universidade São Judas Tadeu. Doutorando em Educação Física pela Universidade São Judas Tadeu. Membro do GETAFIS - Grupo de Estudos em Treinamento, Atividade Física e Saúde da Universidade São Judas Tadeu (USJT).

Katia Bilhar Scapini, Programa de Pós Graduação Stricto Sensu, Doutorado em Educação Física, Universidade São Judas, USJT, São Paulo, SP, Brasil

Possui graduação em Fisioterapia pela Universidade de Passo Fundo (2006), Pós Graduação Lato-Sensu em Fisioterapia Cardiorrespiratória pela Universidade Gama Filho (2008), Mestrado em Envelhecimento Humano pelo Programa de Pós-Graduação em Envelhecimento Humano da Universidade de Passo Fundo (2011) e Doutorado em Ciências - Cardiologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (2017). Atualmente é docente dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu (Mestrado) em Educação Física e em Ciências do Envelhecimento da Universidade São Judas Tadeu. Pesquisadora do Instituto Ânima Sociesc de Pesquisa, Inovação e Cultura e pesquisadora colaboradora do Laboratório de Hipertensão do InCor-FMUSP. Possui experiência em docência no ensino superior (graduação e pós-graduação). Atua principalmente nos seguintes temas: fisiologia cardiovascular, exercício físico preventivo e terapêutico, reabilitação cardiopulmonar, treinamento muscular respiratório, modulação autonômica cardiovascular, doença renal crônica, doença de Parkinson, envelhecimento e revisão sistemática/metanálise.

Gilberto Pivetta Pires, Programa de Pós-graduação em Desempenho Humano Operacional, Universidade da Força Aérea, UNIFA, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Possui graduação a nível de Licenciatura Plena em Educação Física pela Escola Superior de Educação Física e Desportos de Catanduva - ESEFIC (1997), Especialização em Atividades Aquáticas pela Universidade Norte do Paraná - UNOPAR (2000), Mestrado em Educação Física com Área de Conhecimento na Performance Humana, atuando na Linha de Pesquisa da Avaliação da Performance Humana pela Universidade Metodista de Piracicaba - UNIMEP (2005), e Doutor em Educação Física com Área de Conhecimento na Escola, Esporte, Atividade Física e Saúde, atuando na Linha de Pesquisa do Fenômeno Esportivo pela Universidade São Judas Tadeu - USJT (2014). Trabalhou com Técnico Desportivo na modalidade de Natação no Clube de Tênis Catanduva (1995 a 2010), período o qual orientou atletas de destaque a nível nacional. Foi membro do Conselho Técnico da Federação Aquática Paulista (2006/2007); Membro do Comitê de Ética em Pesquisas com Seres Humanos da Universidade Federal de Roraima - UFRR. (2017/2019); Coordenador Local do Polo Campus Boa Vista do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu (Mestrado Profissional) em Educação Profissional e Tecnológica - ProfEPT (2018/2019); Coordenador do Centro de Pesquisas em Políticas Públicas do Esporte e Lazer da Rede CEDES em parceria com a Secretaria Especial do Esporte e Ministério da Cidadania (2015/2019) e Coordenador da Área de Educação Física do Programa de Iniciação da Docência - PIBID/IFRR em parceria com a Capes e o Ministério da Educação (2018/2019). Lecionou em cursos de Licenciatura e Bacharelado de instituições de nível superior no estado de São Paulo: Centro Universitário do Noroeste Paulista - UNORP (2005/2007); Universidade Paulista - UNIP (2006/2011); Centro Universitário FAFIBE - UNIFAFIBE (2008/ 2010) ; Faculdades Integradas Fundação Padre Albino - FIPA (2011); e de Roraima: Universidade Estadual de Roraima - UERR (2011) e Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Roraima - IFRR Campus Boa Vista (2012/2019) Atualmente atua no Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu (Mestrado Profissional) em Desempenho Humano Operacional - PPGDHO na Universidade da Força Aérea - Campo dos Afonsos - Rio de Janeiro. Tem experiência na área de Educação Física, com ênfase no Desempenho Humano, atuando principalmente nos seguintes temas: Natação, Medidas e Avaliações, Periodização e Treinamento de Força e Treinamento Desportivo.

Edson Koury do Nascimento, Programa de Pós-graduação em Desempenho Humano Operacional, Universidade da Força Aérea, UNIFA, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Formado no Curso de Formação de Oficiais Aviadores pela Academia da Força Aérea (2011), com graduação na Área de Administração, com ênfase em Administração pública e Ciências Aeronáuticas. Possui MBA em Gestão Pública pela Universidade Anhaguera (2016). Realizou os Cursos de Sistema de Gerenciamento de Segurança Operacional para PSAC, pela ANAC (2016) e Curso de Gestão e Fiscalização de Contratos Administrativos, pelo Enap (2016). Possui 1000 horas de instrução pela Academia da Força Aérea, nas aeronaves T-25 e T27 e tem experiência na área de Defesa, com ênfase em Defesa Aérea. Possui Título de Mestre pelo Programa de Pós-Graduação Stricto-Sensu, Mestrado Profissional em Desempenho Humano Operacional (PPGDHO), pela Universidade da Força Aérea (UNIFA). Atualmente está servindo no município de Belém, no Primeiro Comando Aéreo Regional, cumprindo missões na região amazônica a bordo da aeronave C-98 Grand Caravan, pelo Primeiro Esquadrão de Transporte Aéreo.

Alessandro Barreta Garcia, Programa de Pós Graduação Stricto Sensu, Doutorado em Educação Física, Universidade São Judas, USJT, São Paulo, SP, Brasil

Doutor em Educação Física pela Universidade São Judas Tadeu, na linha de pesquisa: Promoção e prevenção em saúde (2019-2023), membro do Grupo de Estudos em Treinamento, Atividade Física e Saúde (GETAFIS) pela Universidade São Judas Tadeu, USJT, Brasil, Mestre em Educação pela Universidade Nove de Julho, na linha de pesquisa: História e teoria do trabalho docente e do educador social (2008-2010). Especialista em Saúde da Mulher no Climatério 2003-2004 e 2004-2005 pela Universidade de São Paulo. Especialista em linguagens, suas tecnologias e o mundo do trabalho pela Universidade Federal do Piauí, UFPI (2023), Brasil e Licenciado e Bacharel em Educação Física pela Universidade Nove de Julho (1999-2002). Lecionou por 12 anos no Departamento de Educação da Universidade Nove de Julho, nas disciplinas de História e Introdução à Educação Física, Antropologia e Sociologia da Educação, TCC I e TCC II, Prática de Ensino I, II, III e IV, Seminários e Metodologia da Pesquisa. Suas pesquisas relacionam conhecimentos da Promoção da Saúde, Letramento em Saúde, Letramento Corporal, Educação em Saúde, Educação Física Escolar, Antropologia, História, Filosofia da Educação e História da Educação Física.

Paulo de Tarso Veras Farinatti, Laboratório de Atividade Física e Promoção da Saúde da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Universidade Estadual do Rio de Janeiro, UERJ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Paulo de Tarso Veras Farinatti é professor de Educação Física, pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ, 1987). Concluiu o mestrado, em 1991, na Escola de Educação Física da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Em 1998 obteve seu Doutorado (PhD) no Instituto Superior de Educação Física e Cinesiterapia da Universidade Livre de Bruxelas (ULB, Bélgica). Desenvolveu pesquisas em estágio pós-doutoral (bolsa do CNPq) no Departamento de Cinesiologia da Universidade de Connecticut (UConn, EUA) (2013-2014). Atualmente é Professor Titular da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Fundou e coordena o Laboratório de Atividade Física e Promoção da Saúde da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Exerce desde 2016 o cargo de Vice-Diretor da Universidade Aberta da Terceira Idade da UERJ. Foi membro do Conselho Nacional dos Direitos do Idoso entre os anos de 2004-2006 e atuou como consultor do Ministério dos Esportes e do Ministério da Saúde na elaboração de uma Política Nacional de Esporte e Lazer para idosos. Pesquisador do CNPq desde 2000, tendo exercido a função de membro suplente do Comitê Assessor daquela agência para a Área de Educação Física (2007-2010). Exerceu o cargo de presidente da Sociedade Brasileira de Fisiologia do Exercício entre os anos 2002 e 2004, tendo sido editor-chefe da Revista Brasileira de Fisiologia do Exercício. Atuou como Professor Visitante na Universidade de Roma 2 - Tor-Vergata (Itália, 2013), Universidade de Connecticut (EUA, 2013), Universidade de Cagliari (2016) e Universidade Pedagógica de Moçambique (2018). Atua na área de Educação Física, com ênfase em Fisiologia do Exercício e Atividades Físicas para Populações com Necessidades Especiais.

Aylton Figueira Júnior, Programa de Pós Graduação Stricto Sensu, Doutorado em Educação Física, Universidade São Judas, USJT, São Paulo, SP, Brasil

Formado em Educação Física (1985-1988); Especialista em Ciências do Esporte pelo Laboratório de Aptidão Física de São Caetano do Sul - São Paulo - Brasil (CELAFISCS);Pós-Graduação em Ciências do Esporte na Faculdade de Educação Física de São Caetano do Sul (1989-1990); Pós-Graduação Fisiologia e Bioquímica do Exercício Instituto de Medicina Esportiva Manuel Fajardo - Havana - Cuba (1991). Coordenador do curso de Pós-graduação em Treinamento Esportivo da FMU;Docente dos Cursos de Graduação da UNINOVE e USJT; Membro da American College of Sports Medicine (ACSM desde 2003), Rede Mundial de Atividade Física e Ambiental (2011) e Sociedade Japonesa de Educação Física, Saúde e Ciências do Desporto.;Professor do Programa de Mestrado e Doutorado da Universidade São Judas Tadeu (USJT), desde 2009; Professor convidado do Programa de Mestrado em Fisiologia Clinica do Exercício- Universidad Mayor - Chile;Membro do CNPq (ad hoc) e da FAPESP (Ad hoc). Assessor do Conselho do Estado de Educação do Estado de São Paulo (desde 2009); Vencedor do Prêmio Literatura Esportiva do Ano oferecida pelo Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte (2015); Medalha de Mérito da Educação Física delegada pelo Conselho Regional de Educação Física; Medalha da Comenda da Ordem da Educação Física do Estado de São Paulo; Autor de 12 livros e 26 capítulos nas áreas do esporte, treinamento e atividade física e saúde

Referências

Borghini, G., Astolfi, L., Vecchiato, G., Mattia, D., Babiloni, F. J. N., & Reviews, B. (2014). Measuring neurophysiological signals in aircraft pilots and car drivers for the assessment of mental workload, fatigue and drowsiness. 44, 58-75.

BRASIL. (2016). INSTRUÇÕES TÉCNICAS DAS INSPEÇÕES DE SAÚDE NA AERONÁUTICA.

Bustamante-Sánchez, Á., Delgado-Terán, M., & Clemente-Suárez, V. J. J. E. (2019). Psychophysiological response of different aircrew in normobaric hypoxia training. 62(2), 277-285.

Carpenter, M., Allum, J., & Honegger, F. J. E. b. r. (2001). Vestibular influences on human postural control in combinations of pitch and roll planes reveal differences in spatiotemporal processing. 140(1), 95-111.

Choi, B., Lee, Y., Cho, T., Koo, H., & Kim, D. (2015). Detection of G-Induced Loss of Consciousness (G-LOC) prognosis through EMG monitoring on gastrocnemius muscle in flight. Paper presented at the 2015 37th Annual International Conference of the IEEE Engineering in Medicine and Biology Society (EMBC).

Chopp, C. S., Bomar Jr, J. B., Harding, R. M., Holden, R. D., & Bauer, D. H. (1990). Rapid decompression to 50,000 feet: effect on heart rate response. Aviation, space, and environmental medicine, 61(7), 604-608.

Dussault, C., Lely, L., Langrume, C., Sauvet, F., & Jouanin, J. C. (2009). Heart rate and autonomic balance during stand tests before and after fighter combat missions. Aviation, space, and environmental medicine, 80(9), 796-802.

Forster, E. M. (1994). Heart rate response of aircrew during recovery from gradual onset rate+ Gz exposures. Aviation, space, and environmental medicine, 65(1), 55-59.

Gergelyfi, M., Jacob, B., Olivier, E., & Zénon, A. J. F. i. b. n. (2015). Dissociation between mental fatigue and motivational state during prolonged mental activity. 9, 176.

Gillingham, K. K., Makalous, D. L., & Tays, M. A. (1982). G stress on A-10 pilots during JAWS II exercises. Aviation, space, and environmental medicine, 53(4), 336-341.

Green, N. D. J. E. s. a. m. (2006). Effects of long-duration acceleration. 4, 137-158.

Hargens, A. R., Bhattacharya, R., & Schneider, S. M. J. E. j. o. a. p. (2013). Space physiology VI: exercise, artificial gravity, and countermeasure development for prolonged space flight. 113(9), 2183-2192.

Hursh, S. R., Redmond, D. P., Johnson, M. L., Thorne, D. R., Belenky, G., Balkin, T. J., . . . medicine, e. (2004). Fatigue models for applied research in warfighting. 75(3), A44-A53.

Jung, C. M., Ronda, J. M., Czeisler, C. A., & Wright Jr, K. P. J. J. o. s. r. (2011). Comparison of sustained attention assessed by auditory and visual psychomotor vigilance tasks prior to and during sleep deprivation. 20(2), 348-355.

Kang, Y., Yun, M. H., & Kim, S. (2020). Verbal reports influence on pilot flight performance and mental stress under spatial disorientation. Aerospace medicine and human performance, 91(12), 948-955.

Marcora, S. M., Staiano, W., & Manning, V. J. J. o. a. p. (2009). Mental fatigue impairs physical performance in humans. 106(3), 857-864.

Mukai, C. N., Lathers, C. M., Charles, J. B., Bennett, B. S., Igarashi, M., & Patel, S. (1991). Acute hemodynamic responses to weightlessness during parabolic flight. The Journal of Clinical Pharmacology, 31(10), 993-1000.

Neuhaus, C., Hinkelbein, J. J. P. r., & management, b. (2014). Cognitive responses to hypobaric hypoxia: implications for aviation training. 7, 297.

Newman, D. G. (2016). High G flight: physiological effects and countermeasures: Routledge.

Petrassi, F. A., Hodkinson, P. D., Walters, P. L., Gaydos, S. J. J. A., space,, & medicine, e. (2012). Hypoxic hypoxia at moderate altitudes: review of the state of the science. 83(10), 975-984.

Roscoe, A. H. (1978). Stress and workload in pilots. Aviation, space, and environmental medicine, 49(4), 630-633.

Scott, J. P., Jungius, J., Connolly, D., & Stevenson, A. T. (2013). Subjective and objective measures of relaxed+ Gz tolerance following repeated+ Gz exposure. Aviation, space, and environmental medicine, 84(7), 684-691.

Sekiguchi, C., Handa, Y., Gotoh, M., Kurihara, Y., Nagasawa, A., & Kuroda, I. (1978). Evaluation method of mental workload under flight conditions. Aviation, space, and environmental medicine, 49(7), 920-925.

Vanderploeg, R. D. (2000). Clinician's guide to neuropsychological assessment.

Williamson, A., Lombardi, D. A., Folkard, S., Stutts, J., Courtney, T. K., Connor, J. L. J. A. A., & Prevention. (2011). The link between fatigue and safety. 43(2), 498-515.

Whinnery, J. E. (1982). Acceleration induced voltage variations in the electrocardiogram during exhaustive simulated aerial combat maneuvering. Aviat Space Environ Med, 53(2), 147-152.

Downloads

Publicado

2024-05-02

Como Citar

SANTANA, W. de J.; SILVA , C. E. R.; SCAPINI, K. B.; PIRES, G. P.; NASCIMENTO, E. K. do; GARCIA, A. B.; FARINATTI, P. de T. V.; FIGUEIRA JÚNIOR, A. Efeito do voo de caça nas respostas autonômicas e no desempenho cognitivo e psicofisiológico de pilotos experientes da Força Aérea: : revisão sistemática. Revista da UNIFA, Rio de Janeiro, v. 37, p. 1–17, 2024. DOI: 10.22480/revunifa.2024.37.654. Disponível em: https://revistaeletronica.fab.mil.br/index.php/reunifa/article/view/654. Acesso em: 12 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos de Revisão

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)