Desvendando a Inércia Administrativa em uma Organização Pública:

a perda de conhecimento como um fator prejudicial

Autores

  • Rodrigo Antônio Silveira dos Santos Universidade Federal de Santa Catarina - SC - Florianópolis

DOI:

https://doi.org/10.22480/revunifa.2012.25.693

Palavras-chave:

Dificuldade gerencial, Inércia administrativa, Organização pública

Resumo

Este trabalho tem como objetivo identificar os principais problemas existentes na administração de uma organização do setor público, a partir das perspectivas de um gerente. Deste modo, sob o ponto de vista ontológico, pode-se afirmar que este estudo está situado dentro do paradigma interpretativo (Morgan, 1980) e utilizou a epistemologia sugerida por Seidman (1998) para a coleta de dados por meio do método de três entrevistas. Assim, os problemas encontrados foram agrupados em quatro tópicos: cultura da organização, recursos humanos, rotinas de trabalho e estrutura física. A relação entre os problemas gera as seguintes consequências: a perda de conhecimento, a ocorrência excessiva de erros de trabalho, a existência de graves atrasos na execução e a criação de um ciclo de problemas denominados de ciclo de inércia administrativa, que acarreta uma grande diminuição do nível de atividades e dificulta qualquer tipo de reação por parte da administração.

Referências

BARTH, S. Defining Knowledge Management. CRM Magazine, 4th july, 2000.

CAPRA, F. O tao da física. São Paulo: Cultrix, 1983.

COFFEY, A.; ATKINSON, P. Making sense of qualitative data: complementary research strategies. Thousand Oaks: Sage, 1996.

HAMEL, G.; PRAHALAD, C. K. Competindo pelo futuro: estratégias inovadoras para obter o controle do seu setor e criar os mercados de amanhã. Rio de Janeiro: Campus, 1995.

HERNANDEZ, J. M. C.; CALDAS, M. P. Resistência à mudança: uma revisão crítica. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 41, n. 2, abr.-jun, 2001.

MERRIAM, S. B. Qualitative research and case study applications in education. San Francisco: Jossey-Bass, 1998.

MILES, M. B.; HUBERMAN, A. M. Qualitative data analysis: a source book of new methods. Beverly Hills, C. A.: Sage, 1994.

MINTZBERG, H. The strategy concept: five P’s for strategy. California Management Review, v. 30, n. 1, p. 11-24, 1987.

___. MBA? Não, obrigado: uma visão crítica sobre a gestão e o desenvolvimento de gerentes. Porto Alegre: Bookman, 2006.

MORGAN, G . Imagens da organização. São Paulo: Atlas, 1996.

______. Paradigms, metaphors and puzzle solving in organization theory. Administrative Science Quarterly, v. 25, p. 605-622, 1980.

MORGAN, G.; SMIRCICH, L. The case for qualitative research. Academy of Management Review, v. 5, n. 4, p. 491-500, 1980.

PRAHALAD, C. K.; BETTIS, R. A lógica dominante: uma nova relação entre diversidade e desempenho. In: STARKEY, K. Como as organizações aprendem: relato do sucesso das grandes empresas. São Paulo: Futura, 1997. p.126-152.

PREECE, A. et al. Better knowledge management through knowledge engineering. IEEE Intelligent Systems, p. 36-43, jan.-feb., 2001.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 1985.

SEIDMAN, I. Interviewing as qualitative research. New York: Teachers College, 1998.

SENGE, P. A quinta disciplina. São Paulo: Best Seller, 1990.

SILVA, J. R. G.; VERGARA, S. C. Sentimentos, subjetividade e supostas resistências à mudança organizacional. Revista de Administração de Empresas, v. 43, n. 3, jul.-set. 2003.

STUDER, R.; BENJAMIN, V. R.; FENSEL, D. Knowledge engineering: principles and methods. Data & Knowledge Engineering, v. 25, p. 161-197, 1998.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

ZALTMAN, G.; DUNCAN, R. Strategies for planned change. New York: Wiley & Sons, 1977.

Downloads

Publicado

2012-07-01

Como Citar

SANTOS, R. A. S. dos. Desvendando a Inércia Administrativa em uma Organização Pública:: a perda de conhecimento como um fator prejudicial. Revista da UNIFA, Rio de Janeiro, v. 25, n. 30, 2012. DOI: 10.22480/revunifa.2012.25.693. Disponível em: https://revistaeletronica.fab.mil.br/index.php/reunifa/article/view/693. Acesso em: 22 maio. 2024.

Edição

Seção

Estudos de Caso